A História da Águiaby Paula

7 February 2013Tags: ,  

Hoje, remexendo em coisas antigas, achei uma carta que minha mãe me escreveu há pouco mais de 12 anos atrás, antes de se mudar para os EUA. Na época, com apenas 18 anos, escolhi ficar no Brasil e me lembro de ter gostado muito da mensagem, mas ao relê-la agora, tudo fez muito mais sentido. Penso no quanto deve ter sido difícil aceitar e concordar com a minha decisão de não ir com ela. Ela me diz que foi um momento crucial, mas que sua confiança em mim e a certeza de que eu seria capaz de seguir fazendo boas escolhas próprias, eram a sua fortaleza.

E esse foi o texto:

A História da Águia

A águia empurra gentilmente seus filhotes para a beirada do ninho. Seu coração maternal se acelera com as emoções conflitantes, ao mesmo tempo em que ela sente a resistência dos filhotes aos seus persistentes cotucões: “Por que a emoção de voar tem que começar com o medo de cair?”, ela pensou. Esta questão secular ainda não estava respondida para ela… Como manda a tradição da espécie, o ninho estava localizado bem no alto de um pico rochoso, abaixo dele, apenas o abismo e o ar para sustentar as asas dos filhotes. “E se justamente agora isto não funcionar?”, ela pensou. Apesar do medo, a águia sabia que aquele era o momento. Sua missão maternal estava prestes a se completar. Restava ainda uma tarefa… o empurrão. A águia tomou-se da coragem que vinha de sua sabedoria interior. Enquanto os filhotes não descobrirem suas asas, não haverá propósito para sua vida. Enquanto não aprenderem a voar, não compreenderão o privilégio que é nascer uma águia. O empurrão era o maior presente que ela podia oferecer-lhes. Era seu supremo ato de amor. E então, um a um, ela os precipitou para o final do abismo… e eles voaram! Dr. Tom Chun – Extraído do livro “Qualidade Começa em Mim”.

De certa forma, foi exatamente isso que minha mãe-águia fez. E eu aprendi. Hoje meus voos são muito mais altos do que eu mesma podia sonhar. Mãe, muito obrigada por tudo!

Aos filhos, fica a noção de que ninguém quer o seu bem mais do que a sua mãe. E que, por você, ela faz as tarefas mais difíceis para que você tenha sucesso. Mesmo que muitas vezes você não entenda ou concorde. Confie sempre no conselho da sua mãe. Às mães, reforça-se que, por mais difícil que seja uma tarefa, se é para o bem do seu filho, encha-se de coragem e siga em frente. Lembrando que, dizer não, também é um gesto de amor.

Amor de mãe e filha nunca sai de moda!

Love, Patflor